SEMINÁRIO DISCUTE A RELEVÂNCIA DAS BIBLIOTECAS NAS ESCOLAS


O Seminário Biblioteca nas Escolas: da leitura na escola para uma vida de leituras, tem por objetivo dar formação continuada a bibliotecários,coordenadores de biblioteca e mediadores de leitura para a implantação e dinamização de bibliotecas escolares, além de ampliar a discussão e conscientização sobre o papel desses espaços como poderoso instrumento para formação de leitor e transformação social. Em sua segunda edição, o evento, realizado pela Editora Cubzac, com patrocínio da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), teve um formato diferente, realizando seis encontros, entre maio e dezembro de 2017, sempre no auditório da Academia Pernambucana de Letras.
Nesta edição, os participantes foram indicados pelas Secretarias de Educação Estadual e Municipal, que selecionaram coordenadores de biblioteca de escolas das redes. Segundo Deborah Echeverria, diretora e editora da Cubzac, e Gerente Geral da Rede de Bibliotecas pela Paz (Secretaria Municipal de Segurança Urbana), idealizadora do evento, “tomou-se como critério de seleção a situação de cada instituição de ensino e a urgência de resgatar, consolidar e estimular o papel essencial desse espaço de estimulo à leitura. A formação desses profissionais é de extrema importância para que a biblioteca escolar exerça seu papel de maneira eficaz”.
Além dos seis encontros teóricos, que contaram com diversos convidados tais como Ana Dourado, Cida Fernandez, Érica Verçosa e Luis Serguilha, aconteceu uma oficina para 24 professores de biblioteca de Escolas Prioritárias (escolas com IDEB abaixo da média esperada). A oficina “Construindo um lugar para a leitura” dividiu-se em seis encontros.
“Essas oficinas são um projeto piloto de formação continuada para implantação e dinamização de bibliotecas e formação de leitores em 12 escolas selecionadas, sendo seis municipais e seis estaduais. O projeto selecionou ainda seis obras de literatura infantil e juvenil de seis escritores pernambucanos para serem trabalhados com os alunos em sala de aula. Cada aluno recebeu um livro. Após a leitura interações diversas foram geradas com base nas orientações que os professores receberam nas oficinas”, explica Deborah Echeverria, que destaca que o seminário foi proposto tomando como base a Lei 12.244/10 (universalização das bibliotecas escolares), a qual indica que até 2020 todas as escolas do Brasil deverão ter sua biblioteca.
De acordo com o Censo Escolar 2014, das 188.673 escolas brasileiras públicas e privadas, apenas 67.464 escolas possuem biblioteca, o que equivale a 36%. Em Pernambuco, os números se repetem: 63% das escolas não possuem biblioteca. Por outro lado, dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), de 2003, já mostravam que o aumento da proficiência em alunos de escolas públicas foi diretamente proporcional ao uso da biblioteca.
Segundo a editora, frequentar bibliotecas aumenta o nível de conhecimento, fortalece habilidades de leitura, de argumentação e incrementa a capacidade de análise crítica. Para os estudantes de maneira geral, as bibliotecas escolares, comunitárias e os programas de leitura nas escolas são o principal instrumento de acesso gratuito ao livro no Brasil - e a base para sua formação como leitor.
“O conceito que sustenta a importância da biblioteca não está solidamente incorporado à sociedade e, muitas vezes, também entre profissionais e gestores da área de educação. Incorporar a biblioteca como um valor é o primeiro passo para a criação de bibliotecas escolares que atendam às demandas de uma biblioteca “viva”, onde as ideias fervilham e a comunidade escolar cria o gosto pela leitura, aprende a trocar, comparar, compreender e ter curiosidade para buscar novos livros e outras bibliotecas para além da idade escolar. É urgente que sociedade e gestão pública incorporem a biblioteca escolar como valor indispensável a ser defendido e preservado”, destaca Deborah Echeverria.